Gente Tóxica

Compartilho um post publicado pela minha filha, Andrea Chaves. Infelizmente, está em Inglês. Mas resumo em Português o teor básico do artigo. O resumo inclui alguns acréscimos meus.

Podemos viver em ambientes saudáveis ou em ambientes poluídos. Alguns tipos de poluição são desagradáveis mas não causam, necessariamente, mal à nossa saúde física. Isso acontece com a poluição visual — embora ela possa nos deixar deprimidos, causando mal à nossa saúde mental. Outros ambientes, como os tóxicos, cheios de gases que podem até mesmo encurtar nossa vida, destroem, ainda que gradativamente, nossa saúde física.

O que não se percebe, muitas vezes, é que ambientes humanos podem também ser saudáveis ou tóxicos. Existem pessoas que são tóxicas, que contaminam nosso ambiente humano e nos causam grande mal. Podem fazer com que duvidemos que somos pessoas sadias, podem nos induzir a acreditar que somos incompetentes, ou incapazes, ou imaturos, ou inseguros, quando, de fato, em outros ambientes, mais saudáveis, não somos nada disso.

Quando se trata de um amigo, um relacionamento afetivo, um cônjuge, é sempre possível fugir — deixar o amigo, quebrar o relacionamento afetivo, separar-se do cônjuge. Mas, e quando se trata de um genitor, um irmão, ou mesmo um filho? Somos condicionados a acreditar que a família é sempre uma coisa boa, que nos apoia, que nos ajuda, que nos fortalece emocionalmente. Mas esse nem sempre é o caso. Há situações em que a família, ou, mais frequentemente, um membro específico dela com o qual somos condenados a conviver, pode ser altamente tóxico, causar-nos mal do ponto de vista emocional, da auto-estima, da auto-imagem, da auto-confiança, da segurança que deveríamos ter acerca de nossa própria identidade. Às vezes pode até nos causar mal físico, como no caso de pais que maltratam fisicamente os filhos ou abusam deles sexualmente. Neste caso, a melhor providência é denunciar à Polícia. Mas o que fazer quando o cal causado é psicológico, emocional, sutil, causado por parentes manipulativos (às vezes uma mãe, outras um pai), quando se faz mal sob a pretensão de estar fazendo bem, quando se maltrata fazendo de conta que se está ajudando, educando, contribuindo para a formação da pessoa. Lobos podem aparecer em pele de cordeiros. E isso pode acontecer dentro da família.

Em casos assim, há nove sugestões no artigo abaixo, que partem do pressuposto que pode haver soluções menos drásticas do que um rompimento total. Mas, ao final, ao discutir a décima sugestão, assinala-se que, muitas vezes, soluções contemporizadoras e paliativas não resolvem o problema. Em casos assim, é preciso constatar que o rompimento total é a única solução. Como pode acontecer no casamento, também no relacionamento “vertical” (genitor / prole) pode acontecer que pessoas que amamos, e que, aparentemente, nos amam também, nos causem muito mal. Neste caso, o rompimento é a única solução não paliativa. Afinal de contas, é da nossa vida que se trata. Romper é, em casos assim, uma medida de autoproteção, de proteção à nossa vida e ao que de melhor há nela. E o rompimento, apesar de dolorido, irá trazer um grande sentimento de libertação.

Se algo que escrevi faz sentido para você, leia o artigo inteiro. Se não souber Inglês o suficiente para ler, peça a alguém que saiba que leia para você. Far-lhe-á bem descobrir que seu problema não é único: que há outros que tiveram o mesmo problema — e que aprenderam a soluciona-lo.

É isso. Boa sorte. Tudo de bom. Thanks, Andrea. Love you.

o O o

Ten Things to Remember About Toxic Family Members

By MARC CHERNOFF

Family is supposed to be our safe haven.  Sometimes, however, it’s the place where we find the deepest heartache.

Letting go of (or breaking up with) a toxic friend, boyfriend or girlfriend is one thing, and there’s plenty of advice out there for doing so, but what about letting go of a toxic family member?

Most of us are not in a position to just walk away, nor do we feel that we want to, or that it’s the right thing to do.  So what do we do when a family member is literally spoiling our lives with their toxicity?  How do we deal with our feelings of obligation, confusion, betrayal and heartache?

First and foremost, you must accept the fact that not everyone’s family is healthy or available for them to lean on, to call on, or to go home to.  Not every family tie is built on the premise of mutual respect, love and support.  Sometimes “family” simply means that you share a bloodline.  That’s all.  Some family members build us up and some break us down.

Second, you must understand that a toxic family member may be going through a difficult stage in their lives.  They may be ill, chronically worried, or lacking what they need in terms of love and emotional support.  Such people need to be listened to, supported, and cared for (although whatever the cause of their troubles, you may still need to protect yourself from their toxic behavior at times).

The key thing to keep in mind is that every case of dealing with a toxic family member is a little different, but in any and every case there are some universal principles we need to remember, for our own sake:

o O o

 1. They may not be an inherently bad person, but they’re not the right person to be spending time with every day.

Not all toxic family relationships are agonizing and uncaring on purpose.  Some of them involve people who care about you – people who have good intentions, but are toxic because their needs and way of existing in the world force you to compromise yourself and your happiness. And as hard as it is, we have to distance ourselves enough to give ourselves space to live.  You simply can’t ruin yourself on a daily basis for the sake of someone else.  You have to make your well-being a priority.  Whether that means spending less time with someone, loving a family member from a distance, letting go entirely, or temporarily removing yourself from a situation that feels painful – you have every right to leave and create some healthy space for yourself.

 2. Toxic people often hide cleverly behind passive aggression.

Passive aggressive behavior takes many forms but can generally be described as a non-verbal aggression that manifests in negative behavior.  Instead of openly expressing how they feel, someone makes subtle, annoying gestures directed at you.  Instead of saying what’s actually upsetting them, they find small and petty ways to take jabs at you until you pay attention and get upset.  This is obviously a toxic relationship situation.  It shows this person is set on not communicating openly and clearly with you.  Keep in mind that most sane human beings will feel no reason to be passive-aggressive toward you if they feel safe expressing themselves.  In other words, they won’t feel a need to hide behind passive aggression if they feel like they won’t be judged or criticized for what they are thinking.  So make it clear to your family members that you accept them for who they are, and that they aren’t necessarily responsible or obligated to your ideas and opinions, but that you’d love to have their support.  If they care about you, they will likely give it, or at least compromise in some way.  And if they refuse to, and continue their passive aggression, you may have no choice but to create some of that space discussed in point #1.  (Read Emotional Blackmail.)

3. They will try to bully you into submission if you let them.

We always hear about schoolyard bullies, but the biggest bullies are often toxic family members.  And bullying is never OK.  Period!  There is no freedom on Earth that gives someone the right to assault who you are as a person.  Sadly, some people just won’t be happy until they’ve pushed your ego to the ground and stomped on it.  What you have to do is have the nerve to stand up for yourself.  Don’t give them leeway.  Nobody has the power to make you feel small unless you give them that power.  It takes a great deal of courage to stand up to your enemies, but just as much to stand up to your family and friends.  Sometimes bullying comes from the most unlikely places.  Be cognizant of how the people closest to you treat you, and look out for the subtle jabs they throw.  When necessary, confront them – whatever it takes to give yourself the opportunity to grow into who you really are.

4. Pretending their toxic behavior is OK is NOT OK.

If you’re not careful, toxic family members can use their moody behavior to get preferential treatment, because… well… it just seems easier to quiet them down than to listen to their grouchy rhetoric.  Don’t be fooled.  Short-term ease equals long-term pain for you in a situation like this.  Toxic people don’t change if they are being rewarded for not changing.  Decide this minute not to be influenced by their behavior.  Stop tiptoeing around them or making special pardons for their continued belligerence.  Constant drama and negativity is never worth putting up with.  If someone in your family over the age 21 can’t be a reasonable, reliable, respectful adult on a regular basis, it’s time to speak up and stand your ground.

5. You do not have to neglect yourself just because they do.

Practice self-care every day.  Seriously, if you’re forced to live or work with a toxic person, then make sure you get enough alone time to rest and recuperate.  Having to play the role of a ‘focused, rational adult’ in the face of toxic moodiness can be exhausting, and if you’re not careful, the toxicity can infect you.  Toxic family members can keep you up at night as you constantly question yourself: “Am I doing the right thing?  Am I really so terrible that they despise me so much?  I can’t BELIEVE she did that!  I’m so hurt!!” Thoughts like these can keep you agonizing for weeks, months, or even years.  Sometimes this is the goal of a toxic family member, to drive you mad and make you out to be the crazy one.  Because oftentimes they have no idea why they feel the way they do, and they can’t see beyond their own emotional needs… hence their relentless toxic communication and actions.  And since you can’t control what they do, it’s important to take care of yourself so you can remain centered, feeling healthy and ready to live positively in the face of negativity when you must – mindfulness, meditation, prayer and regular exercise work wonders!

6. If their toxic behavior becomes physical, it’s a legal matter that must be addressed.

If you’ve survived the wrath of a physical abuser in your family, and you tried to reconcile things… If you forgave, and you struggled, and even if the expression of your grief had you succumb to outbursts of toxic anger… If you spent years hanging on to the notions of trust and faith, even after you knew in your heart that those beautiful intangibles, upon which love is built and sustained, would never be returned… And especially, if you stood up as the barrier between an abuser and someone else, and took the brunt of the abuse in their place… You are a HERO!  But now it’s time to be the hero of your future.  Enough is enough!  If someone is physically abusive, they are breaking the law and they need to deal with the consequences of their actions.

7. Although it’s hard, you can’t take their toxic behavior personally.

It’s them, not you.  KNOW this.  Toxic family members will likely try to imply that somehow you’ve done something wrong.  And because the ‘feeling guilty’ button is quite large on many of us, even the implication that we might have done something wrong can hurt our confidence and unsettle our resolve.  Don’t let this happen to you.  Remember, there is a huge amount of freedom that comes to you when you take nothing personally.  Most toxic people behave negatively not just to you, but to everyone they interact with.  Even when the situation seems personal – even if you feel directly insulted – it usually has nothing to do with you.  What they say and do, and the opinions they have, are based entirely on their own self-reflection.  (Angel and I discuss this in more detail in the “Self-Love” and “Relationships” chapters of 1,000 Little Things Happy, Successful People Do Differently.)

8. Hating them for being toxic only brings more toxicity into your life.

As Gandhi once said, “An eye for an eye will only make the whole world blind.”  Regardless of how despicable a family member has acted, never let hate build in your heart.  Fighting hatred with hatred only hurts you more.  When you decide to hate someone you automatically begin digging two graves: one for your enemy and one for yourself.  Hateful grudges are for those who insist that they are owed something.  Forgiveness, on the other hand, is for those who are strong enough and smart enough to move on.  After all, the best revenge is to be unlike the person who hurt you.  The best revenge is living well, in a way that creates peace in your heart.

9. People can change, and some toxic family relationships can be repaired in the long run.

When trust is broken, which happens in nearly every family relationship at some point, it’s essential to understand that it can be repaired, provided both people are willing to do the hard work of self-growth.  In fact, it’s at this time, when it feels like the solid bedrock of your relationship has crumbled into dust, that you’re being given an opportunity to shed the patterns and dynamics with each other that haven’t been serving you.  It’s painful work and a painful time, and the impulse will be walk away, especially if you believe that broken trust cannot be repaired.  But if you understand that trust levels rise and fall over the course of a lifetime you’ll be more likely to find the strength to hang in, hang on, and grow together.  But it does take two.  You can’t do it alone.  (Read Loving What Is.)

10. Sadly, sometimes all you can do is let go for good.

All details aside, this is your life.  You may not be able to control all the things toxic family members do to you, but you can decide not to be reduced by them in the long run.  You can decide not to let their actions and opinions continuously invade your heart and mind.  And above all, you can decide whom to walk beside into tomorrow, and whom to leave behind today.  In a perfect world we would always be able to fix our relationships with toxic family members, but as you know the world isn’t perfect.  Put in the effort and do what you can to keep things intact, but don’t be afraid to let go and do what’s right for YOU when you must.

The floor is yours…

What are your experiences with toxic family members?  What have you done to cope with their toxic behavior?  Please share your thoughts by leaving a comment below.

http://www.marcandangel.com/2015/05/03/10-things-to-remember-about-toxic-family-members/?c=CYTFB

Em Salto, 17 de Abril de 2016.

Conversas Comigo Mesmo

Estou lendo (desde ontem, 22/3/2016) um livro verdadeiramente interessante: A. N. Wilson, God’s Funeral (W W Norton & Co, NY, 1999). O século 19 é o período em que se acredita que, intelectual e culturalmente, Deus foi a óbito (para usar a linguagem dos médicos). Wilson não só lhe faz a autópsia como analisa sua “causa mortis”, emite-lhe o certificado de óbito e lhe descreve o funeral.

Incrível como alguns autores conseguem relatar o que se passou e continua a se passar com você, sem que jamais tenham acesso à sua história de vida.

Ayn Rand fez isso comigo em 1973 – e faz até hoje. Eu a leio e fico com aquela impressão de que ela me conhece extremamente bem, melhor, talvez, do que qualquer outra pessoa, e que ela está colocando, em linguagem cristalinamente clara e precisa,  o que eu penso, o que eu sinto, o que eu desejo, o que eu considero verdadeiro, certo, belo e sublime — só que nunca havia conseguido formular de forma tão clara e precisa.

A. N. Wilson fez isso comigo também ontem (como disse, comecei a ler seu livro ontem). Se não fosse o cansaço (levantei-me às 2h da manhã ontem), teria passado a noite lendo. Sua descrição da crise de consciência de Thomas Hardy e Leslie Stephen (pai de Virginia Wolff), pensadores do século 19, chega a ser comovente: a mim me deixou emocionado, “moved”… Sempre gostei de Stephen, que tem uma belíssima história do pensamento inglês no século 18, em dois volumes, que eu li em 1970-1971, mas nunca li muito de Hardy, além de Jude the Obscure e Tess of the d’Urbervilles (que se tornaram lindos filmes).

Adorei encontrar em Wilson alguém que coloca, com todas as letras, o fato de que a crise do século 19, a teologia liberal, o próprio existencialismo kierkegaardiano, etc., tudo isso tem como antecedente causal a verdadeira bomba filosófica lançada no século 18 por David Hume, meu santo padroeiro, um dos poucos filósofos de quem admiro a obra mas também gosto da pessoa: gostaria de, como Adam Smith, ter convivido pessoalmente com ele. Que privilégio teria sido!

Eu disse isso em minha tese de doutorado em 1972 basicamente o mesmo que Wilson afirma sobre Hume. O título da minha tese é David Hume’s Philosophical Critique of Theology and its Significance for the History of Christian Thought. Eu era bem menos preguiçoso então: a tese tem 615 folhas… 

Wilson também tem uma biografia de C S Lewis, que eu tenho em São Paulo. Vou relê-la, porque também gosto de Lewis.

Como a gente aprende lendo. Sempre defendi a aprendizagem interativa, colaborativa… A leitura não parece ser uma fonte de aprendizagem desse tipo — mas a aparência é enganosa. Combinando insights de Socrates e de Alfred Adler, eu diria que, na melhor pedagogia da pergunta, o livro (o bom livro, desnecessário frisar) desperta questões em nossa mente, nos faz cócegas nos miolos (como diria o Rubem Alves), nos incita a refletir, e, socraticamente, a lhe fazer, ao livro, novas perguntas… Sócrates criticou o livro por não ser interativo e, por conseguinte, não responder às perguntas que lhe fazemos. Mas aí está seu maior mérito, visto de ângulo construtivista. Não respondendo às nossas perguntas o livro nos obriga a procurar respondê-las nós mesmos, nos provoca a nos colocar em diálogo com nós mesmos, a criar conversas em que somos nossos principais interlocutores.

Refletir é isso: é dialogar consigo próprio, questionar e criticar a si mesmo, é tentar (popperianamente) refutar nossas próprias ideias, especialmente as mais caras. . . Conversas comigo mesmo. Sempre pensei em escrever um livro com esse título — embora ele possa parecer “conceited”, “selfish”, “egoistical” (que alguns escrevem “egotistical”), o cúmulo da ensimesmação: com tanta gente pra conversar, pra que querer conversar consigo mesmo? Não é uma questão de ou uma coisa ou outra. As duas são importantes. O problema, na nossa conversa interminável com os amigos no Facebook, é que a gente pode se esquecer de arrumar tempo para uma conversinha a sós com nós mesmos. Ouvir-nos a alma e tentar aquieta-la, alimenta-la. .  .  Os resultado serão sempre positivos, eu garanto.

Em Salto, 23 de Março de 2016.

Os Idos de Março

Hoje é o dia 1o de Março de 2016. Primeiro de Março deve ter sido uma data importante, porque há, em Campinas, uma rua Primeiro de Março (que liga os bairros da Guanabara e da Vila Nova). Talvez em lembrança do fato de que, em 1870, encerrou-se neste dia a Guerra com o Paraguai, ou do fato que, em 1894, neste dia, houve a primeira eleição direta para Presidente da República no Brasil: foi eleito Prudente de Moraes, da republicana Itu, vizinha de Salto, que assumiu o cargo oito meses depois, em 15 de Novembro daquele ano, como o terceiro presidente da República ainda infante.

A Web me diz também que neste dia nasceram Boticelli, Chopin, Glenn Miller e Yitzhak Rabin (um pintor, dois músicos e um militar e político israelense) – e em que morreram Solano Lopez, Rui Barbosa e Anne Frank (um ditador paraguaio, a “Águia de Haia”, e uma judia vítima de Hitler, famosa pelo diário que escreveu) [Acrescentado depois: em 12/1/2017 estive na casa em que ela morou em Amsterdã].

Foi em 15 de Março que Júlio César foi assassinado por Brutus (“Quoque tu, Brute, fili mi!” – Até mesmo tu, Brutus, meu filho!), em 44 AC. A data é usada para celebrar a transição do período da chamada República Romana para o período conhecido como o do Império Romano. Shakespeare, que escreveu uma peça chamada Julius Caesar, recomendou que tivéssemos cuidado com os Idos de Março…

Para nós, próximo dos Idos de Março deste ano, haverá a grande manifestação do dia 13 que procurará mostrar a força do povo que quer ver Dillma e Lulla longe e que quer que o PT-13, com seus muito mais de 40 petralhas, desapareçam da face da Terra. Quem sabe nos Idos de Março deste ano nos vemos livres do Criador e do seu Poste e, imitando Roma, começamos um novo período de nossa história? Quo usque tandem? (Até quando?)

Para mim, pessoalmente, o mês de Março tem vários significados importantes – alguns bons, outros nem tanto…

Quatro anos atrás. em 2012, neste dia, mudamos para o Morumbi, um apartamento que nos tem trazido muita felicidade. Mudamos para que a Paloma e as meninas estivessem perto do Colégio Visconde de Porto Seguro, em que a Paloma trabalhava, desde Agosto de 2011, e as meninas estavam estudando, desde o início do ano letivo de 2012.

Em 2002, no dia primeiro de Março, tive um enfarto agudo do miocárdio. Quase morri. Fiquei na UTI por mais de uma semana, fui abençoado pelo Padre Marcelo, fiz uma angioplastia, coloquei um stent… Faz 14 anos hoje que quase morri – sem ter conhecido o grande amor da minha vida!!!

Saí do hospital no dia 11, dia em que nasceu a primeira filha, Olivia Grace, de minha filha mais velha, Andrea. Minha primeira neta.

Muito antes disso, em Março de 1952 entrei na escola (já com oito anos e meio). Em 1956, entrei no Ginásio, também em Março. Em 1961, entrei no Colegial Clássico, também em Março. Em 1964, entrei no Seminário, no mês de Março, começando a fazer o curso de Teologia.

Dois anos depois, em 1966, 50 anos atrás, também no mês de Março, eu começava a viver uma odisseia que mudou minha vida. Estava em meu terceiro ano no Seminário Presbiteriano de Campinas, e, no início de Março, fui eleito Secretário Executivo do Centro Acadêmico “Oito de Setembro” (CAOS), e, ato contínuo, fui indicado pela Diretoria para ser o Editor e  Redator Chefe de uma publicação do CAOS – a que dei o nome meio provocante de “O CAOS em Revista”.

Naquele Março de 1966 estávamos terminando o segundo ano da Ditadura Militar, com suas cassações de mandato e expurgos, e a Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) se preparava para fazer o seu expurgo interno e dar início à sua ditadura particular, sob a tutela e o cutelo do Rev. Boanerges Ribeiro. Os seminários da Igreja – havia três: o de Campinas, chamado do Sul, o do Recife, chamado do Norte, e o de Vitória, chamado de Centenário, porque criado no ano em que a o presbiterianismo comemorava 100 anos de Brasil (1959) – estavam no topo da lista da pretendida “limpeza” que a igreja planejava fazer em suas hostes.

O primeiro número do meu jornal saiu no dia 18/3/1966 – vai fazer 50 anos daqui a 18 dias e causou um reboliço. Denunciei o conservadorismo teológico e político do corpo docente, o despreparo dos professores (com uma ou outra exceção) para ocupar a posição que ocupavam naquela hora importante,  e adverti para o golpe que se preparava dentro da Igreja. Chamei o seminário (que tinha pretensões de ser uma “Faculdade de Teologia”) de “Instituto Bíblico” – expressão que, no seio das igrejas presbiterianas e, talvez, protestantes, designa instituições escolares geralmente de baixo nível acadêmico e intelectual, que se limitam a ensinar a Bíblia aos seus alunos, passando ao largo das questões que a chamada “Crítica Bíblica” (textual, literária e histórica) tem levantado nos últimos 250 anos.

Em uma reunião apressada, solicitada por dois professores, o Rev. Waldyr Carvalho Luz e o Rev. Américo Justiniano Ribeiro, a Congregação do Seminário, presidida pelo Reitor, uma das exceções a que fiz menção, o Rev. Júlio de Andrade Ferreira, decidiu que o jornal deveria ser confiscado e determinou ao Reitor que entrasse em contato com o CAOS para que lhe fossem entregues os números ainda não distribuídos do jornal. O Rev. Júlio veio direto ao meu quarto – ele era amigo de meus pais e eu sempre me orgulhei do fato de ele, inúmeras vezes, ter me honrado com inequívocos gestos de amizade e bem-querer – desculpou-se por ter de fazer o que estava fazendo, por determinação da Congregação, e me pediu que lhe entregasse os números ainda em estoque – perto de cem. Já havíamos distribuído o jornal por todo o corpo discente. Guardei comigo cerca de dez números, “para a história”, como imaginei, certamente exagerando a importância do nosso ato de rebeldia.

Nem o Reitor nem a Congregação se lembraram de proibir que o jornal tivesse sequência – e, por isso, imediatamente comecei a trabalhar no número seguinte, que foi publicado em 18/4/66, denunciando a “violência simbólica” perpetrada contra os estudantes, contra seu Centro Acadêmico, e contra mim, em particular – e mais uma vez advertindo os leitores da direção inevitável em que caminhava a Igreja Presbiteriana do Brasil. No meu Editorial fiz referência a John Stuart Mill, resumindo um trecho memorável de seu fantástico livro On Liberty (Da Liberdade). Eis dois parágrafos do que disse então:

“É conscientes desta verdade que levantamos a nossa voz em protesto contra a estreiteza de mente de alguns dentro da IPB para os quais até opinião é delito, para os quais a livre expressão do pensamento é causa suficiente para expurgo! Como é mais fácil lutar para manter as liberdades que já temos do que lutar para reconquistar as liberdades perdidas, “O CAOS em Revista” se dispõe, em suas páginas, a dar livre expressão ao pensamento dos alunos. O número presente é exemplo disto. Não podemos permitir que nos tolham a liberdade de termos os nossos próprios pensamentos e o livre direito de expressá-los. É esta a base da democracia. É esta a base do regime presbiteriano. Em sua obra On Liberty (…) John Stuart Mill faz notar, com toda razão, que silenciar a expressão de uma opinião é roubar a raça humana, tanto a geração presente como a posterior, sendo ainda mais prejudicados os que discordam do que os que mantêm a opinião, pois, se a opinião é correta, aqueles que dela discordam estão perdendo a oportunidade de trocar o erro pela verdade, e, se é errada, os dela discordantes perdem o grande benefício de adquirir uma percepção mais clara e mais viva da verdade, proveniente de sua colisão com o erro. Se as idéias que temos expresso e, esperarmos, continuaremos a expressar através deste jornal não são verdadeiras e são perniciosas, não vingarão, pois a melhor maneira de destruir uma idéia falsa é expô-la! Quem tiver com a verdade não precisa temer idéias, por mais estapafúrdias que sejam, pois terão com que refutá-las, através de um franco diálogo. Aqueles que se creem portadores de ideias verdadeiras, se querem mantê-las, devem torná-las continuamente relevantes, e não impedir que novas ideias apareçam e sejam disseminadas.

Aquilo que tem sido considerado como delito, isto é, a apresentação de ideias que não se harmonizam inteiramente com os padrões oficiais, o delito de opinião, é um crime que devemos praticar diariamente, sob quaisquer riscos. Se deixarmos de ser ‘criminosos’ neste campo, estaremos roubando as gerações passadas que lutaram, até o sangue, para obter as liberdades de que somos herdeiros, a geração presente que estará tendo sua voz sufocada e reprimida, e a geração futura que sentirá que uma geração deixou de realizar o seu papel na história!”

Eu tinha 22 anos quando escrevi isso. Hoje tenho 72. Faz 50 anos.

Poderia ter sido muito pior, e acabou sendo, dentro de alguns meses, mas ali, perto dos idos de Março de 1966, ficou barato para nós.

Em termos, pelo menos. Meu pai, amigo de todos os reverendos mencionados até agora, e meu “tutor eclesiástico” (cada aluno tinha um), foi informado do que eu havia feito e imediatamente se locomoveu de Santo André, onde era pastor da Igreja Presbiteriana de Santo André, para Campinas. Assustei-me quando o vi. Estava assistindo uma aula de Alemão no Instituto Goethe, sucursal de Campinas, no centro da cidade. Meu primeiro pensamento ao vê-lo parado na porta, foi de que minha mãe houvesse morrido e ele estivesse ali para levar-me para o velório. Não era isso. Ele veio me dizer que, ao ouvir o que eu havia feito e ler o que eu havia escrito, ele preferia que eu tivesse nascido morto. Ficou cerca de dois anos sem conversar comigo.

Publiquei mais dois números de “O CAOS em Revista”, em Maio e Junho. Em Julho o Rev. Boanerges Ribeiro foi eleito presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, nomeou uma “Comissão de Seminários” que era comandada por um seu amigo, Coronel do Exército (e presbítero da IPB), Cel. Renato Guimarães, que escolheu visitar o Seminário de Campinas em primeiro lugar. Fomos intimados para entrevistas (depoimentos). Cerca de ¾ do corpo discente se recusou a comparecer. Não mandou nem uma cartinha, feito o Lulla. Fomos expulsos – ficamos impedidos de nos rematricular no segundo semestre de 1966.

Ainda há muita coisa a contar sobre o ano de 1966 da Igreja Presbiteriana do Brasil, em geral, e do Seminário Presbiteriano de Campinas, em particular. O historiador oficial da Igreja, que poderia, 50 anos depois, dizer o que sabe, porque já descobriu. Mas mesmo tanto tempo depois, ele certamente não quer correr a chance de perder os cargos de Historiador Oficial da igreja, de responsável pelos Museus e pelos Arquivos da igreja… Em seus livros e artigos ele diz o que pode, sem ferir suscetibilidades ainda vivas, e passa por cima do que não pode.

Vou escrever aqui neste blog autobiográfico alguns artigos. Tinha planos de escrever uma sequência ao livro Inquisição sem Fogueiras, do Rev. João Dias de Araújo – este, gente do bem. Mas não tive tempo, dadas as minhas outras prioridades. Quando você tem 72 anos, o tempo passa a ficar cada vez mais curto, antes de acabar de vez.

Vários artigos já publicados neste blog tocam no assunto, em especial o que tem o título de “ ‘O CAOS em Revista’: Editoriais e Artigos de 18/3/1966 a 18/8/1966 (alguns censurados) ” que pode ser encontrado em:

https://autobiospace.wordpress.com/2015/11/07/o-caos-em-revista-editoriais-e-artigos-de-1831966-a-1881966-alguns-censurados/

Salto, em 1o de Março de 2016, editado em Ubatuba, 1o de Março de 2017

Crise de Identidade?

Eu só nasci Eduardo Oscar.

Logo virei Oscarzinho. Num relato que meu pai escreveu dos meus dois primeiros anos de vida, começando no dia seguinte ao do meu nascimento, eu já sou Oscarzinho.

Quando entrei na escola (Grupo, Ginásio), em 1952, passei a ser Eduardo.

Quando estive no JMC (Clássico), a partir de 1961, passei a ser Oscar, apelido Juca (por causa do Chaves, naturalmente, mas Juca era o apelido de meu avo materno, José de Campos).

No Seminário, a partir de 1964, eu era Oscar Chaves — virei meu pai, que também estudou la.

Quando minha irmã mais velha nasceu, em 1967, ela passou a me chamar de Oi, porque era isso que eu lhe dizia quando a via — e hoje minha família inteira ainda me chama de Oi.

Nos Estudos Unidos era eu era inicialmente Ed, depois virei Dr. Chaves ou Prof. Chaves (geralmente pronunciado Chavêz ou Tcheivis). O Seminário onde eu estudei lá (fazendo o Mestrado) me chama até hoje de algo que eu nunca fui, Rev. Chaves.

Na UNICAMP fui Eduardo, Chaves, Prof. Eduardo, Prof. Chaves. Algumas de minhas aluninhas de Pedagogia, que não tinham nenhum respeito pelos meus cabelos branqueantes, me chamavam simplesmente de Du.

Quanto meu neto Gabriel nasceu (1999), porque ele tinha dois outros avôs, era preciso sempre dizer vô fulano. Eu virei o vô Dudu.

Depois que passei a viver com a Paloma, virei Edu. Às vezes, quando ela quer ser enérgica, me chama de Edward — algo que ninguém mais jamais me chamou.

Depois que nos casamos no papel, meu nome virou Eduardo Oscar Epprecht e Machado de Campos Chaves. O atendente do INSS em Salto, um velho ranzinza, quando disse a ele que eu havia mudado de nome porque havia adotado os sobrenomes de minha mulher quando do casamento, olhou para mim como se estivesse olhando para um doido varrido… “Por que fazer isso a essas alturas?”, perguntou. Respondi apenas que a lei o facultava. Ele disse: “Tudo bem, mas…” — e houve por bem calar-se. Percebeu que eu estava perto de perder a esportiva…

Só fui o que sou, Eduardo Oscar, portanto, quando nasci. Talvez volte a sê-lo quando morrer. Assino meu nome, por um tempo, Eduardo O C Chaves (sem os pontinhos nas letras do meio). Quando me casei tentei assinar Eduardo O E M C Chaves. Mas dava trabalho demais. Voltei a assinar apenas Eduardo Chaves.

Terei eu uma crise de identidade?

Em São Paulo, 11 de Novembro de 2011. Addaptado de um e-mail de 2 de Junho de 1997.

Meu Pai, Os Pardaillan e Eu

Les Pairdaillans

Logo depois de nos mudarmos de Maringá (PR) para Santo André (SP), o que se deu no início de 1952, meu pai começou a comprar uma série de livros de um autor francês chamado Michel Zévaco (1860-1918). O primeiro livro da série se chamava Os Pardaillan (e foi publicado em 1902). Outros títulos incluíam O Pátio dos Milagres, Epopeia de Amor, Fausta, Fausta Vencida, etc. Todas as histórias, entretanto, giravam em torno do garboso Cavaleiro de Pardaillan e seu intrépido pai, suas lutas (de espada) por justiça, seus amores, e se passavam na atraente e misteriosa França dos séculos XVI-XVII. O nome inicial previsto para a série era Por Ferro e por Amor – “ferro” sendo uma figura de linguagem para “espada”. [Essa figura de linguagem tem um nome, mas eu não me lembro dele].

Sob a influência de meu pai comecei a ler os livros, um por um, e, como meu pai, apaixonei-me por eles. Aprendi muita história da França ali naqueles livros. Trata-se de história romanceada, mas a sequência de fatos históricos nos quais a história é enxertada é sempre real. Por isso, aprende-se história lendo os romances.

Um dia, em 1989, quando estava em Genebra, na Suíça, prestando serviços para a Organização Mundial da Saúde (OMS), que lá tem sede, tive uma folga de uma semana no trabalho e fui para Paris, onde passei uma semana inteira vagabundeando… Lá encontrei, num sebo, na Rue Saint Jacques, perto da Sorbonne, uma cópia do primeiro volume da série, em Francês, usado, até meio surrado. Comprei-o. Eis uma foto dele.

Les Pardaillan - vieux - 2

Em outra ocasião, na mesma semana, em uma das livrarias FNAC (que não existiam no Brasil ainda), que fica em Les Halles, encontrei as obras completas de Michel Zévaco, em três densos volumes da coleção Bouquins (editada por Robert Laffont), que, no total, perfaziam cerca de quatro mil páginas (média de 1.350 páginas por volume). Li o primeiro volume, que eu conhecia melhor, por mais ou menos uma hora, dentro da livraria, e, depois de “provar” (taste) a amostra, não tive dúvidas: comprei a obra, apesar do preço meio salgado. O Francês, em estilo antiquado, especialmente nos diálogos, era delicioso. Ao voltar para casa comecei a ler as histórias que havia lido cerca de 40 anos antes, agora no belíssimo Francês do original. Eis uma foto do primeiro volume da coleção:

Les Pardaillan - nouveau

A edição francesa continha (contém – ainda a tenho) um “Avant Propos” e um longo Prefácio, abrangendo quase 150 paginas, em que a historiadora da literatura popular francesa, Aline Demars (que escreveu sua tese de Doutoramento de Estado na Sorbonne [Paris 4], em 1986, sobre Michel Zévaco, com o título Michel Zévaco et le Roman-Feuilleton), explicava que Zévaco havia sido um dos maiores sucessos literários do fim do século XIX e do início do século XX. Várias pessoas importantes, entre elas Jean-Paul Sartre, admitiam ter sido fascinadas pela obra de Zévaco quando eram crianças e adolescentes. Eu estava, portanto, em boa companhia… (boa no sentido de famosa; como gente e como filósofo não tenho a menor simpatia pelo Sartre – nem pela Simone de Beauvoir, companheira dele, embora goste mais dela do que dele). [No final da década de oitenta, quando trabalhava na Secretaria da Saúde como assessor do Secretário José Aristodemo Pinotti, hoje falecido, descobri durante uma viagem que meu grande amigo Ubiratan D’Ambrósio, também colega na UNICAMP, um pouco mais velho do que eu, também havia sido apaixonado por Les Pardaillan.]

Uma coisa curiosa: em determinado momento, ao ler, numa das historias de Zévaco, que o cavalo de Pardaillan se chamava Galaor, veio-me à memória algo que aparentemente não me ocorrera quando eu lera os livros na década de 50: tive a nítida impressão de que, quando eu era menino, no Paraná, meu pai tivera um cavalo chamado Galaor.

Liguei para o meu pai, então já em seu último ano de vida e lhe perguntei se tivera um dia um cavalo Galaor. A resposta foi positiva. Perguntei-lhe a razão do nome, e a resposta foi a esperada: esse era o nome do cavalo de Pardaillan. Mas como isso era possível, indaguei, se o senhor só veio a ler Zévaco quando veio para  Santo Andre em 1952? Que nada, disse-me ele, em Santo André li tudo pela segunda vez. A primeira vez que li esses livros foi quando era menino, em Patrocínio, MG. Os livros naquela época eram vendidos na forma de folhetim, um pequeno volume a cada poucos dias…

Fiquei surpreso como fato de que um famoso autor popular francês, no inicio do século XX, tivesse seu folhetim semanais traduzido para o Português e que os livretos viessem a ser distribuídos até mesmo no então distante Triângulo Mineiro! Patrocínio é uma metrópole hoje, perto do que era nos anos 1920!

Os Pardaillan, pai e filho, foram uma das poucas coisas em que estavam totalmente de acordo pai e filho.

PS: Escrevi na minha biografia de meu pai um trecho em que ele descreve o Massacre de São Bartolomeu, na França, em 1572. Eis o que eu descobri hoje (11/11/2015), no artigo “Massacre da Noite de São Bartolomeu”, na Wikipedia, em:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Massacre_da_noite_de_São_Bartolomeu/

“História também contada pelo escritor Michel Zévaco (autor francês, nasceu em Ajaccio, em 1860 na mesma cidade de Napoleão Bonaparte, mas cem anos depois, conhecedor profundo da Historia Francesa Medieval e Renascentista) no romance inicial Os Pardaillan, onde ele era mestre em ficção dentro da realidade.” Também do início da Idade Moderna, acrescente-se.

A narrativa da Noite de São Bartolomeu, um domingo, 24 de Agosto de 1572, está no capítulo 40 (XL) de Les Pardaillan.

Escrito não sei quando nem onde (mas faz tempo) — mas transcrito aqui em São Paulo, em 11 de Novembro de 2015.

Aniversário de Quarenta Anos de Ingresso na UNICAMP

Hoje, 1/7/2014, faz quarenta anos que fui contratado pela UNICAMP, mediante proposta da Faculdade de Educação. Eu havia chegado, dias antes (na realidade, em 7/6/1974), dos Estados Unidos, onde vivi por sete anos seguidos e ininterruptos. Meu nome foi sugerido à Diretoria da Faculdade de Educação, que buscava um filósofo da educação, pelo meu primo, Anello Sanvido, que hoje mora no Canadá, mas então fazia Química na Universidade. O Rubem Alves, que eu conhecera quando estudei no Seminário Presbiteriano da UNICAMP, e que já era professor da UNICAMP, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, apoiou a sugestão do Anello – e isso aparentemente decidiu a questão.

Naquela época, em que a UNICAMP estava se iniciando, e estava longe de ser completamente institucionalizada, havia um procedimento administrativo, chamado “Designação”, mediante o qual o Reitor, Prof. Zeferino Vaz, nomeava a título precário, e enquanto o processo de contratação tramitava pelas diversas comissões e por outros órgãos da burocracia universitária, as indicações de professores feitas pelos Diretores das unidades.

O ofício encaminhando minha indicação foi assinado e levado em mãos, naquela ocasião, pelo Prof. Marconi Freire Montezuma, que respondia pela Direção da Faculdade de Educação, porque a pessoa indicada para exerce-la, o Prof. José Aloísio Aragão, havia falecido pouco tempo antes em acidente de carro.

O Prof. Zeferino Vaz despachou, autorizando a minha designação em nível MS-4 (MS=Magistério Superior do Estado), e encaminhando o ofício à Diretoria da Administração para abertura de processo e envio do processo à CPDIDP – Comissão Permanente de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa.

Enquanto o processo tramitava, lentamente, entrou em efeito, em 15/8/1974, a lei que proibia contratações pelo serviço público por noventa dias antes e depois das eleições de 15/11/1974. Minha contratação formal, por causa disso, só se deu em 8/5 do ano seguinte, mas todos os efeitos foram retroagidos a 1/7/1974. Fui contratado em Tempo Integral (40 horas semanais) e Dedicação Exclusiva. Para isso tive de submeter Plano de Pesquisa à CPDIDP. Meu Plano de Pesquisa versou sobre a questão da Doutrinação, com especial atenção às áreas da Política, Moralidade e Religião.

Assim começou minha vida acadêmica no Brasil. Em 1977 fui promovido para o cargo de professor em nível MS-5 e, em 1980, através de processo seletivo interno, ascendi ao cargo de Professor Titular, no nível MS-6, nível mais alto da carreira docente nas universidades paulistas. Eu tinha 36 anos quando isso aconteceu.

Logo depois de assumir minhas funções docentes, no segundo semestre de 1974, dando um curso de Filosofia da Educação I para as alunas do Curso de Pedagogia, iniciado naquele ano, fui designado pelo Reitor, novamente por indicação do Prof. Montezuma, para exercer a função de Coordenador de Graduação da Faculdade (Curso de Pedagogia). Isso se deu em Setembro de 1974. Em Junho de 1975 foi criado o Curso de Pós-Graduação em Educação – Mestrado da Faculdade, e fui indicado para compor a Comissão de Pós-Graduação da Faculdade, ao lado dos professores Joel Martins e Newton Aquiles von Zuben. Em Fevereiro de 1976 fui indicado Coordenador do Curso de Pós-Graduação e Diretor Associado da Faculdade – fazendo dupla com o Prof. Antonio Muniz de Rezende, que havia sido designado para substituir o Prof. Montezuma, só que agora com o cargo de Diretor da Faculdade (não Responsável pela Direção).

Exerci os dois cargos por um tempo e, depois, deixei o cargo de Coordenador de Pós-Graduação ficando só com Direção Associada da Faculdade, que exerci até Abril de 1980, quando passei a ocupar a Direção, tendo sido escolhido pelo Colegiado (embrião da Congregação), com unanimidade dos dezenove votos. Faziam parte do Colegiado então o Diretor, o Diretor Associado, os três Coordenadores (Pós-Graduação, Graduação-Pedagogia e Graduação-Licenciaturas), os chefes dos cinco Departamentos (Filosofia e História da Educação; Psicologia da Educação; Sociologia da Educação; Administração e Supervisão Educacional; e Didática e Metodologia de Ensino).

Minha indicação pelo Colegiado foi feita em Fevereiro de 1980, porque a Reitoria, então exercida pelo Prof. Plínio Alves de Moraes, estava sendo pressionada por elementos reacionários da administração (o Chefe de Gabinete do Reitor era ex-diretor do DOPS…) a não aprovar a minha indicação. A razão tinha que ver com o fato de que eu, alguns meses antes, enquanto no exercício da Direção (o Prof . Antonio Rezende ficou afastado de suas funções, durante os últimos seis meses de sua gestão, para preparar tese de Livre Docência), havia batalhado pelo retorno do Prof. Paulo Freire ao Brasil, tendo enviado ofício, em nome da Faculdade da Educação, ao Itamaraty, pedindo nova concessão de passaporte ao Prof. Paulo, que estava em Genebra. Essa decisão não caiu bem junto à cúpula da UNICAMP, que me ameaçou até mesmo de demissão, alegando que eu havia quebrado a hierarquia do serviço público, dirigindo-me a um Ministro, algo que apenas o Reitor da universidade poderia fazer.

Para encurtar, o Prof. Plínio conseguiu vencer as pressões e me nomeou, tomando eu posse em 16/4/1980.

Algumas questões mencionadas neste artigo recebem tratamento um pouco mais detalhado no artigo seguinte, que resume a minha gestão como Diretor da Faculdade de Educação (1980-1984).

Transcrito em meu blog “Liberal Space” em Salto, 1 de Julho de 2014.

Transcrito aqui neste blog em São Paulo, 9 de Novembro de 2015.

Já lá se vão 47 anos. . . (Hoje, 48. . .)

Em 1967, quarenta e sete anos atrás, neste dia, então um sábado, eu estava, nesta hora (cerca de 19h) no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, acompanhado de minha mãe, de minha tia, e de minhas irmãs, para viajar para os Estados Unidos, onde iria fazer o Mestrado, no  Pittburgh Theological Seminary (http://pts.edu), em Pittsburgh (http://pittsburghpa.gov/), no oeste do estado da Pensilvânia, já quase no estado de Ohio (onde minha filha mais velha mora hoje — de Pittsburgh até a casa dela, em Cortland, são, eu diria, cerca de 100 km, se tanto). Meu pai não foi ao aeroporto — estava sem conversar comigo. Meu irmão creio que não foi — não sei por que razão.

Na época eu estava a menos de três semanas de completar 24 anos (como estou, hoje, de completar 71). Vocês podem conferir a minha foto daquele ano, de um mês antes, por aí, que tirei para o passaporte — o meu primeiro. Estava contente, mas ansioso. O meu Inglês era bastante bom (tinha começado a aprender cedo, havia tido, no Instituto JMC, onde éramos internos, uma namorada que falava Inglês nativo, pois era filha de missionários, e havia completado o curso da União Cultural Brasil-Estados Unidos em Campinas). Mas nunca havia ido aos Estados Unidos e tinha grande expectactiva sobre como iria me sair entre os nativos do país. Depois de uns dias iniciais meio traumáticos, saí-me bem.

Os mais novos vão ficar surpresos de que eu estivesse saindo de Viracopos. Mas a explicação é simples. Naquela época o Aeroporto Internacional de Guarulhos ainda não existia. O Maluf ainda não havia sido nem prefeito nem governador de São Paulo… Cumbica era apenas uma base militar. E o Aeroporto de Congonhas não comportava aviões do porte de um Boeing 707, que eu iria tomar. Voei com a então tradicional PanAmerican World AirWays (PanAm), que, quando fechou, vendeu para a United as suas rotas latinoamericanas. O vôo, se bem me lembro, era PA 202, originado em Montevideo e que chegava a Campinas depois de uma escala em Buenos Aires. O vôo PA 201 fazia a direção contrária, a partir de Nova York. Fizemos uma escala no Rio, no Aeroporto do Galeão (que era um Aeroporto Internacional, além de uma base militar). Do Rio fui direto para Nova York, nonstop, desembarcando no dia seguinte no Aeroporto John Fitzgerald Kennedy (JFK). Este aeroporto havia sido inaugurado em Julho de 1948, com o nome de Idlewild Airport, mas, depois da morte do Presidente Kennedy, em 22 de Novembro de 1963, foi rebatizado em sua honra, na véspera do Natal daquele ano. Do JFK peguei um vôo para Pittsburgh (não me lembro nem da companhia nem do número do vôo, infelizmente), onde me esperava uma família, os Eichleays, com quem iria ficar por uma semana, antes de começarem as aulas.

A estada com os Eichleays (ele se chamava William, do nome da mulher e da filha me esqueço) foi gentileza de uma instituição fantástica, o Pittsburgh Council for International Visitors (PCIV), uma ONG criada para recepcionar e apoiar estrangeiros (visitantes internacionais, no “politicamente correto” de então) que chegassem à cidade. O PCIV era informado pelas universidades e faculdades da cidade quando estudantes ou professores estrangeiros iam chegar à cidade, ou pelas empresas quando os visitantes eram empresários ou seus empregados. Eles então contatavam as pessoas e indagavam, no caso de estudantes, se queriam ficar, por uma semana, com uma família que, voluntariamente, sem receber nada por isso, se dispunha a hospedar o visitante e “aclimata-lo” na cidade. Eu, naturalmente, aceitei. Minhas aulas só iriam começar depois do Dia do Trabalho americano, comemorado na primeira segunda-feira de Setembro. Assim, me dispus a ser hóspede dos Eichleays de 20, domingo, dia de minha chegada, a 27 de Agosto — o domingo seguinte.

Já de início, naquele domingo, levaram-me para um restaurante muito chique. Nunca tinha ido a um restaurante tão bacana. Comi sirloin steak, com legumes. Achei delicioso. Tomei, de aperitivo, dois martinis. Foi a primeira vez que experimentei esse drinque americano. Depois do segundo, senti o efeito e fiquei meio zonzo. Tive um pouco de medo de que eles notassem isso. Mas se notaram, foram delicados o suficiente para não me deixar perceber. Com a comida, o impacto passou. De sobremesa, experimentei (também pela primeira vez) cheese cake. Achei delicioso.

Depois do almoço, deram-me uma tournée da cidade, que achei linda. Pittsburgh é cortada por dois rios, o Allegheny e o Monangahela, que se unem, no centro da cidade, para formar o rio Ohio. A cidade era conhecida, nos anos 30, como “Dust City” (Cidade da Poeira), por causa da poluição causada pelas inúmeras indústrias que tinham sede na cidade, em especial várias indústrias do aço, das quais a US Steel, criada por Andrew Carneggie, o homem mais rico do mundo na passagem do século 19 para o 20, era a principal. Pittsburgh era sede de várias universidades, das quais as principais eram a University of Pittburgh – Pitt (vide http://pitt.edu), a Carneggie-Mellon University (vide http://cmu.edu), tecnológica, que, quando cheguei lá, era chamada de Carneggie Institute of Technology, e a Duquesne University (http://duq.edu),  católica. Era sede de três times esportivos profissionais: os Pittsburgh Steelers, de futebol americano (http://www.steelers.com/), os Pittsburgh Pirates, de beisebol (http://pirates.com), e os Pittsburgh Penguins, de hóquei sobre o gelo (http://penguins.nhl.com/). Os Steelers nunca haviam ganho um superbowl. Desde então ganharam seis, sendo o time que mais vezes foi campeão americano. Os Pirates haviam sido campeões mundiais (como eles chamam os campeões americanos) em 1960 e vieram a ser novamente em 1970, quando eu ainda estava lá. Os Penguins foram formados em 1967, e, portanto, não haviam ganho nada ainda quando cheguei lá, mas, depois, foram campeões nacionais três vezes, em 1991, 1992 e 2009. O time de futebol americano universitário da Pitt eram os Panthers, que era ruim quando eu estava lá, mas melhorou muito, sem, contudo, jamais chegar a ficar por muito tempo entre os melhores. A cidade tinha uma fantástica Orquestra Sinfônica (http://www.pittsburghsymphony.org/pso_home). O PCIV dava, semanalmente, bilhetes para jogos e concertos para os estrangeiros da cidade, numa base primeiro a chegar, leva. Como a sede do PCIV era dentro da Pitt, onde eu fiz o doutorado, de 1970 a 1972 eu aproveitei o fato para não perder muitos jogos. Infelizmente, não aproveitei igualmente os concertos.

Pittsburgh era também uma cidade famosa por suas faculdades de medicina e hospitais. O hospital mais famoso era o Presbyterian University Hospital, que faz parte do University of Pittsburgh Medical Centers como seu principal hospital de clínicas. Ele fica ao lado do estádio dos Panthers, dentro do campus.

O campus tinha dois prédios célebres. A Cathedral of Learning (Catedral da Aprendizagem), de 38 andares, no centro do campus, que era, naturalmente, uma catedral secular (http://www.nationalityrooms.pitt.edu/about/cathedral-learning), e a Heinz Memorial Chapel (http://www.heinzchapel.pitt.edu/), que funcionava como a igreja não-denominacional do campus, tendo sido construída com recursos doados pelo famoso industrial H. J. Heinz (fabricante de ketchup e mostarda). A empresa dele (vide http://en.wikipedia.org/wiki/H._J._Heinz_Company) é hoje parte do império do suíço-brasileiro Jorge Paulo Lemann e seus sócios.

Enfim, é isso.

Fiquei em Pittsburgh cinco anos, de 20 de Agosto de 1967 até 20 de Agosto de 1972, quando me mudei para a California, onde arrumei um emprego em Hayward, na Baía de San Francisco.

Comemoro a data 19 de Agosto todo ano e sou grato a todos os que viabilizaram a oportunidade que tive de estudar nos Estados Unidos. Foi um privilégio. Cito, em especial, o Rev. Gordon E. Jackson, Deão do Seminário Presbiteriano de Pittsburgh, que me convidou para ir para lá e me deu a bolsa que me permitiu ficar lá durante cinco anos, e o Rev. Aharon Sapsezian, então Secretário Executivo da Associação de Seminários Teológicos Evangélicos (ASTE), aqui de São Paulo, que em 1967 me deu a passagem para ir e voltar. O Aharon virou, em 1987, um de meus mais diletos amigos. Ele faleceu recentemente. Com o Rev. Jackson perdi contato, mas imagino que já tenha falecido.

Transcrito em meu blog “Liberal Space” em São Paulo, 19 de Agosto de 2014.

Transcrito aqui neste blog em 9 de Novembro de 2015.